.

 As Capuchinhas


Somos uma Cooperativa composta por quatro Mulheres da Serra do Montemuro em Portugal. 
Produzimos vestuário em burel, linho e lã, tecidos em teares manuais, 
usando métodos tradicionais com um design contemporâneo. 

O nosso atelier fica em Campo Benfeito, numa pequena aldeia na serra e a origem do nosso nome 
está na Capucha, a capa usada pelos pastores para se abrigarem do frio e da chuva durante o Inverno.
O nosso trabalho contribui para transmitir às gerações futuras, as nossas vivências e tradições, 
e para a preservação do nosso património. 

Foi nos anos 80, uma década em que emigrar era quase a única opção, que uma ação de formação 
de corte e costura, fez com que as sócias fundadoras das Capuchinhas iniciassem esta aventura.

As nossas coleções são originais e desenhadas exclusivamente para as Capuchinhas 
pela designer Paula Caria. 








.


" Preservamos o passado, reinventamos tecidos e padrões, damos cor à lã com tintos naturais e criamos peças adequadas aos tempos atuais. Dia após dia temos nas nossas mãos a responsabilidade de criar roupa original, elegante, sofisticada e acima de tudo com a identidade do meio que nos envolve: a serra, os sonhos, o cheiro e as cores."

Ester Duarte


Casada e mãe de dois filhos, trabalha na cooperativa desde que esta deu os seus primeiros passos em 1987. Começou por frequentar um Curso de Corte e Costura e hoje a máquina de costura não tem segredos para esta costureira de mão cheia. É também juntamente com o resto do grupo responsável pela criatividade em cada peça e exerce as suas funções no atendimento ao público. 

Henriqueta Félix


Casada, mãe de dois filhos, foi uma impulsionadora na fundação em 1987 da cooperativa Capuchinhas. Hoje para além de conceber nas suas mãos peças de vestuário exclusivas da cooperativa, organiza o trabalho de administração e contabilidade da companhia e co- responsável pelo atendimento ao público quer no atelier quer em feiras de artesanato. 

Engrácia Félix Duarte


Casada e com dois filhos, adora tecer e fazer malhas em tricôt. Aprendeu vendo as mãos da Mãe e uma antiga tecedeira da aldeia de Campo Benfeito. Criar novas colecções, sempre singulares e conseguidas em trabalho de grupo são essenciais para a vida desta artesã. O atendimento ao público quer em feiras de artesanato quer no atelier das Capuchinhas, também fazem parte das suas funções.

Isabel Duarte


Casada e com duas filhas, é a mais nova do grupo que aprendeu a arte de tecer com a ajuda e entusiasmo das colegas. Faz parte da cooperativa desde 1996 e é a responsável pela tecelagem, utilizando as técnicas e saberes tradicionais, criando tecidos únicos. Assim como as colegas, a Isabel é também responsável pelo atendimento ao público tanto no atelier como nas feiras de artesanato. 

Imprensa

" Nós vemos hoje mais fundo, os nossos montes, as nossas paredes, a pedra, as peças antigas do tear como os tapetes, com as mantas e é essa a inspiração que agora temos, esse fundo como base para nós nos orientarmos sempre a dar a nova imagem à coleção " 

Castro Daire no Coração


" Não é só a paisagem que faz com que estas montanhas sejam mágicas. " 

Público


" Mas não só ideias é o que vão buscar ao meio que as envolve. Alguma da lã é tingida ali, utilizando folhas de nogueira, urtigas, liquens das árvores e fetos, que resultam em cores terrosas e aconchegantes. "

Evasões


" A autenticidade da vida nas aldeias e a natureza agreste dos maciços da Gralheira e de Montemuro são exploradas na Rota da Água e da Pedra. "

Visão